Após incêndio em subestação Amapá fica sem energia e com serviços comprometidos

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse hoje, sexta-feira (6) que pretende restabelecer toda a energia no estado do Amapá em até 10 dias.

Na noite de terça-feira (3) um incêndio em uma subestação de energia localizada na Zona Norte da capital Macapá provocou um apagão, onde treze dos 16 municípios do estado foram afetados.

O Amapá entrou hoje, sexta-feira (6) no quarto dia de apagão com 89% da população sem eletricidade. Ontem, quinta-feira (5), o governo estadual já havia decretado situação de emergência.

Mas o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque explicou que o plano para tentar restaurar a energia em 70% do estado até ontem, quinta-feira (5), não deu certo, porque a operação é “complexa”. O ministro Albuquerque prometeu então restabelecer 100% da energia no Amapá em até 10 dias, depois de uma reunião com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Na quarta-feira (4), o Ministério de Minas e Energia criou um gabinete de crise para reverter o apagão e enviou uma comitiva ao Amapá para supervisionar as medidas adotadas para o restabelecimento de energia elétrica no estado.

Ainda ontem, quinta-feira (5), foram anunciados três planos para restabelecer o fornecimento de energia. As opções apresentadas envolvem os estados de Amazonas, Pará e Roraima para envio de peças, motores e transformadores.

Davi Alcolumbre, Senador eleito inclusive pelo Amapá, destacou as dificuldades operacionais de socorrer o estado, que fica distante do centro do país e com acesso só de “avião ou de barco.

O presidente do Senado chamou de fatalidade o ocorrido e disse que as autoridades vão investigar e punir os responsáveis. Alcolumbre disse haver “boa perspectiva do ponto de vista técnico” para resolver o problema.
No entanto, a falta de energia afetou 13 dos 16 municípios, incluindo todos da região metropolitana. Em Macapá, só há energia em serviços essenciais, como hospitais.

Também falta água encanada, água mineral e gelo; internet e serviços de telefonia quase não funcionam. E a maioria dos postos de gasolina não tem gerador e não consegue operar.

Caixas eletrônicos e máquinas de cartão também não funcionam, então, as pessoas não conseguem fazer compras.
Está muito difícil a situação das pessoas no Amapá, principalmente agora em saber que os serviços possam ser normalizados ainda num prazo de 10 dias.

 

Comentários