Fotógrafo com baixa visão fará cobertura das Paralimpíadas de Tóquio

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Redação – Rede Cultura

Fonte – Bahia.ba/Foto: Divulgação/Assessoria

Com uma história de superação e resiliência, João Maia é um homem surpreendente. O fotógrafo com baixa visão é embaixador institucional da Fundação Dorina Nowill para Cegos, para os Jogos Paralímpicos de Tóquio.

Ele desembarca no Japão, no dia 19 de agosto, para mostrar a cultura, acessibilidade, e os bastidores da competição. Para capturar as imagens, João utiliza a audição, tato, olfato, percepção de vultos e cores.

O piauiense João Maia, de Bom Jesus, vai tirar fotos, gravar vídeos e fazer stories para as redes sociais da Fundação Dorina. As competições Paralímpicas e os bastidores dos jogos serão os principais conteúdos publicados por ele. Mas, as suas lentes também mostrarão outros temas, como a cultura japonesa – uma curiosidade para os ocidentais. Outro assunto a ser registrado é a acessibilidade para pessoas cegas ou com baixa visão no Japão.

Além de mostrar a viagem e produzir conteúdo, essa iniciativa tem o objetivo de dar visibilidade e pautar a sociedade sobre temas relacionados às pessoas cegas ou com baixa visão. O próprio João Maia é um exemplo de pessoas que lidam com os desafios da acessibilidade, e carrega consigo uma trajetória de superação e resiliência. Após perder a visão, já adulto, realizou o sonho de se tornar fotógrafo.

O trabalho da Fundação Dorina vai além de promover a inclusão de pessoas cegas ou com baixa visão. Além de oferecer atendimento personalizado, de acordo com as necessidades individuais, a instituição procura inspirar a todos com os aprendizados de Dorina de Gouvêa Nowill, que batalhou pelo direito à acessibilidade aliado à realização de sonhos e projetos de cada um.

“Ter o João como embaixador institucional e representante nos Jogos Paralímpicos é comemorar também o trabalho realizado pela Fundação Dorina com o objetivo de promover a autonomia de pessoas cegas e com baixa visão”, comenta o presidente do Conselho de Curadores da Fundação Dorina Nowill para Cegos, Francisco H. Della Manna.

“Desde a perda da minha visão, enfrentei uma longa jornada até aqui. E, a Fundação Dorina surgiu para me mostrar que existiam muitas possibilidades para a minha história. Por lá, conheci e utilizei os serviços de habilitação e reabilitação, e com o tempo adquiri mais autonomia. Hoje, sou um fotógrafo, mesmo com a ausência de um sentido que eu acreditava ser essencial para exercer essa profissão”, conta João Maia, embaixador institucional da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

Histórico de superação e conquistas

João Maia perdeu a visão aos 28 anos, devido a uma uveíte bilateral.

Na Fundação Dorina, João encontrou apoio para conviver com a nova realidade, com tratamento gratuito adequado.

A perseverança no sonho de ser fotógrafo foi além do imaginado. Em 2016, o profissional conseguiu atingir um grande marco para a sua carreira, com a cobertura dos Jogos Paralímpicos, no Rio de Janeiro. As imagens feitas por ele mostram diversas competiçõesde corrida de atletismo sobre rodas, ciclismo, judô, futebol, natação, entre outros.

“Naquele momento, eu não me considerei um herói por ser um fotografo com baixa visão, mas pude ter certeza da minha competência como um profissional qualificado e capaz. Não tenho dúvidas que cobrir os Jogos Paralímpicos, no Rio de Janeiro, foi um grande momento na minha vida. E, como diz o poeta Augusto Branco, a realização de todo feito extraordinário, consiste em ter um sonho e acreditar nele”, conta João Maia, embaixador institucional da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

Comentários