“Menina Veneno” um grande sucesso de Ritchie

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Hoje vamos falar um pouquinho de Ritchie, e para quem pensa que ele é brasileiro se enganou. Richard David Court é cantor e compositor britânico, porém radicado no Brasil. É autor de diversos sucessos como “Menina Veneno”, “A Vida Tem Dessas Coisas”, “Pelo Interfone”, “Casanova” e “Voo de Coração”.

Ritchie nasceu no dia 6 de março de 1952, em Beckenham, Condado de Kent, sul da Inglaterra. Filho de pai militar, viveu em vários países, como Quênia, Dinamarca, Itália, Alemanha, Iêmen do Sul e Escócia.

Embrenhou-se na música cantando no coral de uma igreja na Alemanha. Com 20 anos, abandonou os estudos para tocar flauta na banda londrina Everyone Involved. Durante as gravações, Ritchie foi apresentado a um grupo de brasileiros pelo guitarrista Mike Klein. Entre eles, estavam Lucinha Turnbull, Rita Lee e Liminha, estes dois últimos, d’Os Mutantes, em visita à capital inglesa para comprar instrumentos. Ficaram amigos e o convite para conhecer o Brasil foi feito.

No final de 1972, Ritchie desembarcou em São Paulo, com a intenção de passar três meses de férias. Na cidade, ele formou a banda Scaladácida. O grupo fez vários shows na cidade e foi sondado pela gravadora Continental. Mas Ritchie ainda não tinha o visto de permanência e o contrato não pôde ser assinado. Scaladácida terminou suas atividades no final de 1973 e Ritchie se mudou com 21 anos de idade, já casado, para o Rio de Janeiro com a arquiteta e estilista Leda Zuccarelli.

Em 1982, procurou Bernardo Vilhena, letrista do Vímana para compor seu primeiro trabalho-solo cantado somente em português. Liminha, naquele momento produtor da Warner, gravou algumas canções com Ritchie numa sessão que envolveu também o guitarrista inglês Steve Hackett (ex-Genesis). Liminha tentou convencer a Warner a lançar o material, mas André Midani não viu potencial no que ouviu, algo de que ele se arrependeria mais tarde.
A CBS, gostou do material e deu a Ritchie a tarde do dia 31 de dezembro de 1982 para regravar as canções em 24 canais, pois haviam sido gravadas em oito. Em vez disso, ele decidiu gravar “Menina Veneno”, que havia composto com Bernardo.

As vendas do compacto lançado em fevereiro de 1983 com “Menina veneno” e “Baby, meu bem”, ultrapassaram as 500 mil cópias, um marco na história do mercado fonográfico brasileiro e a canção foi a mais vendida daquele ano no país. Tanto sucesso esse que fez com que a canção “Menina Veneno” fosse a mais executada nas rádios do Brasil no ano de 1983.

Porém, o sucesso chegou mesmo com o LP Vôo de Coração em junho de 1983. Um milhão e duzentas mil cópias do álbum que tinha os hits “Menina veneno”, “A vida tem dessas coisas”, “Casanova”, “Pelo interfone” e a faixa-título evaporaram das lojas.

Em 1984, ganhou o Troféu Imprensa na categoria Cantor do Ano, onde concorria com Roberto Carlos e Tim Maia.
Em 2008, Ritchie fundou seu próprio selo e gravadora, a PopSongs, e lançou, em julho de 2009, o CD, DVD e Bluray independente, em parceria com Arnaldo Antunes e “Cidade Tatuada”, com letra de Fausto Nilo. O disco foi o primeiro blu-ray do artista e o primeiro blu-ray musical a ser 100% produzido e fabricado no Brasil.

Três anos após seu DVD, comemorando sessenta anos de idade e trinta de carreira solo, Ritchie lançou seu primeiro álbum como intérprete, intitulado 60. Nesse disco, o cantor interpreta canções da década de 1960 menos conhecidas do grande público.

Você conferiu um pouquinho da história do Ritchie, vamos agora conferir o seu som: Menina Veneno!

Comentários